sexta-feira, 27 de maio de 2011

Diga-me Maria, por que quando os outros te pedem ajuda torna-se tão sábia quanto a vida.
Mas diga-me, Maria, por que és tão fria comigo?
Ficas muda e só me fita.
Com aquele olhar que me irrita.
Nem uma palavra sequer é dita.
Bendita.

quinta-feira, 12 de maio de 2011

lágrimas de chuva

Chova. 
Faça chuva.
São Pedro faça chover hoje.
Chova, pois eu quero chover.
Céu chore no meu lugar,
pois já não sou mais capaz de fazer isso como você.
Alguém roubou minhas gotas.
Então chores por mim.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

"O que você quer ser quando crescer?" 
Disse minha mãe, com o ar de esperança do rosto. Mal sabia ela a resposta que estava por vim.
Acho que esperava algo do tipo: "Quero ser que nem você." ou "Serei médica, mamãe." 
Como toda resposta clichê, que uma mãe espera ouvir, mas não foi isso que disse. 
Minha resposta foi bem mais simples e óbvio.
"Quero continuar sendo eu mesma."