quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

To you

we grow
we cry
we learn
Sometimes even burn
but that's life
It goes on and on
And nothing can be done

After all
All we got is words
Words make bonds
Words fill our hearts
Words torn us apart
After all
Words is life.

sábado, 17 de dezembro de 2011

Corro nesta rua vazia.
Madrugada silenciosa.
Ninguém à vista.
Já estou sem fôlego, fujo de alguém
que não sei quem.
Está atrás de mim, pois
escuto seus passos.
Então tropeço nos meus próprios pés
caio de boca no asfalto.
Sinto gosto de sangue, baba e chão.
Só a lua estemunha esta desgraça.
Fico mal, penso em desisitir,
podes me levar, digo.
Mas subtamente a realidade me bate.
Me manda levantar
e eu a obedeço,
já que só a tenho.
e volto a correr sozinho nessa rua sem sentido.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Uma antiga paixão

Independente do que sinto no momento,
é só de você que necessito.
Preciso ver seus detalhes.
Sinto teu sabor só em te tocar.
Fecho meus olhos e percorro meus dedos em ti,
assim vejo outro mundo.
Sinto como se não precisasse de mais nada,
só essa sensação me basta.
Minha mão já te tem na memória.
Refaço tudo em minha mente, todas as noites, antes de dormir
e a saudade me bate...
Boa noite, meu amor.
Minhas entranhas fétidas?
Estão conspirando contra mim.
Deixei-as presas aqui dentro por muitos anos.
E agora querem se rebelar.
Sinceramente?
Não consigo viver com ou sem elas.
O que fazer?
Mandá-las pra puta que as pariu
e depois trancá-las novamente.
I thought I had a heart
But now I see
there's only a black hole beneath my chest
Locked by seven keys
Cause it's touch
turns everything into aches
My darkness can consume you
Beware

domingo, 27 de novembro de 2011

A quanto tempo esperei por você.
Um dia tão lindo
que me fizesse querer...
Esquecer todos os dias chuvosos
de minha vida,
querida.

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Até você, passarinho,
brinca comigo.
Vai e volta.
Não faz nada, só me olha.
Eu sei o que queres
e sabes o que quero.
Então por que não se arrisca?
Chegue mais perto...

domingo, 6 de novembro de 2011

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Um, dois, três, (...)

Sinto que meu coração está pesado.
Parece que fiz algo de errado.
Mas todos nós topamos.
E agora, como é que fica?
Sinto me aflita,
meu racional e emocional estão em guerra.

domingo, 16 de outubro de 2011

Quero uma máquina de escrever.
Quero sentir meus dedos tocando,
com força, os seus botões.
Quero ver a tinta secar
no formato de palavras,
palavras que ainda não sei o significado.
E como pode tudo isso me deixar excitado?

sábado, 8 de outubro de 2011

E o futuro que tanto me preocupava
parece, agora, tão distante,
já que me afastei.
E a preocupação de hoje?
Seja dia, seja noite, vivo o momento.
Parei de pensar no tempo.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Onde há fumaça há fogo

E a fumaça que um dia eu desprezava
não sai da minha cabeça.
Queria te colocar em um potinho
e guardar na estante assim.
Pra sempre te ter por perto.
Mas descobri que isso é impossível,
não tem como te prender.
Foste feito pra ser livre, como o vento.
Mas através de meu fogo fico perto de ti
meu amor, minha fumaça.

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Elefantinho

Meu amigo imaginário, foste você o primeiro.
Mas com o tempo, tudo foi crescendo.
Estavas cada dia mais pesado.
Não tinha mais forças pra te carregar.
Então te doei.
Assinei o contrato
e apartir de hoje
sou só mais um adulto.

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

E uma vela foi acesa, nessa enorme
escuridão.
Agora que posso ver, consigo também 
sentir o cheiro,
cheiro de podridão.
Nesse quarto, imagino eu, com nenhuma companhia,
só a da solidão.
Então o cheiro vem vindo lá de longe
e vem chegando...
Até que me estende a mão.
Educadamente a recuso.
Alegando que o único dono de meu 
coração, sou eu.

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Blind man

i hate to be blind
there's not a thing i can see
i've got a lot in my mind
But one thing i can't find
is you and me

There's too much people on earth
so i've heard...
Maybe if i could see a blur
I could confirm

So i keep moving
on this path i do not know
Eager, hopping, wishing
to see
where it has taken me

So i've stopped
dropped from my cloud
Touched my foot on the ground
And i regret what i've found

seeing through my new eyes
there's nothing nice
Everything is a big fat lie
But, baby, please don't cry

Take a deep breath
Close your eyes
Imagine yourself in bed
saying "good night".

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Ai como é simples julgar com apenas um olhar
Uma simples visão e já temos opiniões.
É tão facil dizer que o Rei é um incompetente.
É tão facil dizer que o povo é vagabundo.
Mas 
Alguém já parou pra pensar na pressão do Rei ou na sua eterna solidão?
Alguem já parou pra pensar na opressão da população ou na sua exaurida jornada de trabalho?
Alguém já parou pra mudar a mirada?

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Diga-me Maria, por que quando os outros te pedem ajuda torna-se tão sábia quanto a vida.
Mas diga-me, Maria, por que és tão fria comigo?
Ficas muda e só me fita.
Com aquele olhar que me irrita.
Nem uma palavra sequer é dita.
Bendita.

quinta-feira, 12 de maio de 2011

lágrimas de chuva

Chova. 
Faça chuva.
São Pedro faça chover hoje.
Chova, pois eu quero chover.
Céu chore no meu lugar,
pois já não sou mais capaz de fazer isso como você.
Alguém roubou minhas gotas.
Então chores por mim.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

"O que você quer ser quando crescer?" 
Disse minha mãe, com o ar de esperança do rosto. Mal sabia ela a resposta que estava por vim.
Acho que esperava algo do tipo: "Quero ser que nem você." ou "Serei médica, mamãe." 
Como toda resposta clichê, que uma mãe espera ouvir, mas não foi isso que disse. 
Minha resposta foi bem mais simples e óbvio.
"Quero continuar sendo eu mesma."

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Água

Como gostaria de ser a água.
Eu, assim, mataria a sede de muitos.
Traria, clareza à muitas mentes.
Limparia a alma.
Habitaria lugares ainda desconhecidos.
Seria uma fonte de energia
e melhor de tudo,
ocuparia o lugar vazio em seu coração.

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Viu, acordei meio assim. Desse jeito assim. Fui, então, me olhar no espelho pra entender melhor. Admito que não levei um susto, tão grande, por que era desse jeito mesmo que estava.
Meu reflexo no espelho não tinha rosto. Ah, assim será meu dia, então.
Mas como posso ter um dia feliz, se não poderei sentir o cheiro de uma flor? Ou se não ver o sol raiar? Nem mesmo sentir o gostinho de um beijo.
É. Acordei meio assim mesmo. Mas então, onde estará meu rosto? Onde o deixei, ou será que o esqueci, por descuido meu?
Bem, uma hora terá que voltar.
Mas até lá, não poderei sorrir, chorar ou espirrar.
Andei pensando. Na realidade, é desse jeito mesmo que quero estar hoje. Sem poder sentir, ver ou respirar algo.
Mas pensando novamente, posso ainda sentir o calor de um abraço. Posso, também, escutar as doces palavras que saem da boca de outros.
Quem sabe se hoje não será tão assim?

domingo, 10 de abril de 2011

A moça parou na minha frente e fez a tão esperada pergunta.
"O que você come no café da manhã? Bolo, pão ou fruta?"
Levantei minha cabeça para olhar nos olhos dela, estufei meu peito e disse com o maior orgulho do mundo:
"Panqueca."

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Estou aflita. Olho para o livro e depois para a minha pasta de desenho. Olho para meus pés, lá no chão, e depois para minha mente, lá em cima. Mas o que quero saber mesmo é onde está meu coração.

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Perdida em meus pensamentos, olho pra fora da janela do ônibus. Quando algo chama minha atenção, nesse final de tarde chuvoso.
Um prédio velho me olha, eu o olho de volta. Não era um prédio bonito, nem grande, muito menos limpo. Mas nos encaramos por muito tempo.
Percebi que só havia uma janela aberta. Havia alguém ali apoiado. Por causa dos contrastes de luz e sombra, não pude saber se era homem ou mulher.
Mas de qualquer forma, meus olhos não desviavam dessa figura.
Um ser relxado, com os braços cruzados, mas com a cabeça encarando o céu negro e chuvoso. 
Só não conseguia decifrar o que esta chama estava fazendo na minha pintura preto e branco.

domingo, 27 de março de 2011

Sou um ser ilógico
Vejo beleza em um nada.
Quando sofro penso na lição que aprenderei,
para superar o presente.
Tenho fé na vida.
Acredito em um bem maior.
Embora meu coração sinta isso
meus pés estão cravados nesse solo, puro químico.
Sem possibilidade de voar.
E toda vez que vejo uma flor desabrochar,
uma lágrima escorre pela minha bochecha.
Na vã esperança de algo que ainda não sei...

sábado, 5 de março de 2011

Dúvida?

Dúvidas, dúvidas.
Tenho muitas dúvidas.
Mas a minha maior dúvida é sobre a própria dúvida.
Será estúpidez duvidar da dúvida?
Ou será divino?
Duvidar enfraquece ou fortalece?
Duvidar regressa ou progressa?
Aaaaaaah
Tantas dúvidas, gostaria de acabar com todas de uma só vez.
Mas para isso teria que por um fim no que me torna mais humano, minha curiosidade.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Brindemos, pois mais uma vez fracassei.
Agora, sei mais uma maneira do que não fazer.
Por isso hoje é dia de comemorar.
Outro erro foi computado.
Cada dia estou um passo mais perto do acerto!
Um dia chegarei lá.
Uhuull.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Eu te amo.

O tempo passa.
Você cresce.
Nota coisas que não havia notado antes.

Como cada pessoa que você ama é um amor diferente do outro.
Como pode amar mais de uma maneira uma única pessoa.
Como nem sempre o amor vem acompanhado de paixão.
Como amizade é um amor muito forte.
Como muitas vezes você se atrapalha para dizer como se sente.
Sendo que muitas vezes um simples "Eu te amo." basta.
Como essas palavras ficam mais difícies para serem ditas quando o significado é mais profundo.
Além de que muitos problemas podem ser evitados com essas palavras.
Como essas mesmas palavras podem ser ditas sem haver o verdadeiro significado por trás.

Por isso ame.
Ame hoje, pois amanhã será tarde demais para dizer: "Eu te amo".

domingo, 6 de fevereiro de 2011

desengonçado

Hoje você me fez rir.
Eu já sabia seu significado,
mas não resisti de vê-lo no dicionário.
Não rio de você, meu bem.
Mas como há tantas maneiras diferentes de te explicar.
Muitas que não ouço há anos...

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Oh Deus,
por que tenho sua paciência?
Entendo que sou seu filho
e essa culpa é minha.
Por isso tenho suas características..
Mas por que erro tanto?
Será por parte de minha mãe?
Ou você também errou
ao nos ter?

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Ah.
Quanto tempo que não te vejo,
meu amor.
como senti desejo
do seu toque em mim.

Da sua delicadeza
em meus lábios,
derretendo dentro de mim.
De sentir sua ternura
e seu calor.
De passar minhas mãos em ti
e sentir a luxúria
subir.
De sentir seu cheiro peculiar de flor.
Que faz meu sangue fluir.
De prender a respiração
pra não desmaiar.
De poder te amar.
pois já não tenho mais
coraçãoo.